quinta-feira, 26 de junho de 2014

Empresa é processada em R$ 5 mi por trabalho escravo


Manaus – O Ministério Público do Trabalho no Amazonas (MPT-AM) processou em R$ 5 milhões a Irajá Fibras Naturais da Amazônia e o proprietário Luiz Cláudio Morais Rocha, conhecido como ‘Carioca’, por trabalho escravo. Em maio deste ano, 13 trabalhadores foram resgatados no município de Barcelos (AM). O grupo foi contratado para extração da piaçava (fibra largamente utilizada para confecção de vassouras). O MPT também pede que seja mantido o bloqueio de R$ 255,4 mil em bens da empresa, já determinado pela Justiça na época do resgate. 

A medida pretende garantir o pagamento das verbas rescisórias e indenizações dos trabalhadores resgatados. O processo requer, ainda, que a empresa seja condenada a cumprir 26 obrigações, entre elas a de garantir remuneração mensal não inferior a um salário mínimo, a pagar os salários até o quinto dia útil do mês subsequente ao vencido e o 13º salário até o dia 20 de dezembro. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário