sexta-feira, 26 de julho de 2013

CCLB : " A fábrica está servindo como ponto de "ENCONTROS NA SURDINA "entre diretores da empresa e membros do Governo do Estado " afirma Funcionário da fábrica


A CCLB - Cooperativa Central de Laticínios da Bahia, fábrica que industrializava os produtos da Marca CATUÍ atualmente, deixou de produzir leite e ostenta os encontros secretos dos diretores da fábrica com membros do Governo do Estado como afirma um funcionário da fábrica.  


" O Governo disse que ajudou e até hoje agente não viu nada ; ninguém sabe para onde foram os 20 milhões prometidos pelo Governo" concluiu empregado.



 " Ninguém abre pra gente o que está acontecendo; nós trabalhadores só sabemos pro alto que o Governo está ajudando mas, essa ajuda , se tem dinheiro , agente não ver nem a cor" Comenta um ex empregado que está a receber seus fins rescisórios.


 " Nos últimos dias iniciaram uam reforma que gastaram mais de 100 mil reais e agente não consegue entender onde e como gastou tanto dinheiro" Comenta um funcionário que não quis se identificar.

Está semana, empregados e ex empregados da CCLB realizaram um protesto frente a fábrica para exigir seus direitos e transparência na negociação entre Governo X CCLB.


Uma nova manifestação está sendo programada assim que acontecer o proxímo encontro dos diretores da fábrica com algum membro do Governo.


Os trabalhadores ainda afirmam que, caso não aconteçam as reuniões na CCLB, a ideia será ocupar a Assembleia Legislativa da Bahia com os familiares dos empregados e ex empregados da Cooperativa Central de Laticinios da Bahia para chamar a atenção no sentido que os mesmos possam ser ouvidos pelo Governo do Estado.



 "Atualmente, a fábrica encontra-se com luz cortada , trabalhadores com quase 30 meses sem salários, FGTS há mais de 15 anos sem depositar, INSS há mais de 15 anos sem repassar e o Governo do Estado fazendo grandes investimentos e a fábrica não funciona" O que está acontecendo e para onde está indo todo esse recurso? Esses são os questionamentos que precisam ser respondidos. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário