quarta-feira, 13 de março de 2013

Telexfree vira febre, mas metade de município baiano já caiu no esquema em 2009


Empresa americana fundada em 2002, a Telexfree tem se tornado uma febre por prometer enriquecimento rápido para os que se associarem, fizerem publicidade e prospectarem novos “divulgadores” para a marca. No entanto, órgãos públicos desconfiaram que se tratava do esquema de pirâmide e a Telexfree tornou-se alvo de investigações pelos Ministérios Públicos de quatro estados (AC, BA, ES e MT), além do Procon-PE. O método consiste em um negócio que oferece chances milagrosas de lucro – desde que o interessado invista uma quantia no empreendimento e traga outras pessoas para participar. O sistema é considerado insustentável e funciona à base de novos investidores. Os primeiros envolvidos investem e conseguem lucrar ao recrutar outros participantes. No entanto, quanto maior o alcance da pirâmide, menos sustentável ela fica, pois depende dos investimentos posteriores. Sem novas aplicações, a grande parcela dos envolvidos fica no prejuízo. Apesar de a Telexfree ser novidade, quase metade da população do município de Maragojipe, no Recôncavo baiano, já foi prejudicada em 2009 com o sistema de pirâmide, na época chamado de Caixa Cooperativa. Bahia Noticias

Nenhum comentário:

Postar um comentário