terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Estaleiro Eseada do Paraguaçú Entra em Licitação da Petrobras de R$ 2 Bilhões


Rio de Janeiro - Com a matriz ainda em construção na Bahia e apenas 15 meses após sua idealização, o Estaleiro Enseada do Paraguaçu já soma contratos de US$ 6,5 bilhões por dez mega-embarcações destinadas à Petrobras, incluindo seis sondas para o pré-sal.
O Enseada do Paraguaçu entrará nas próximas semanas em mais uma concorrência bilionária da Petrobras para plataformas, apesar de ainda faltar um ano para o estaleiro principal iniciar suas operações.
"Tem muita coisa pela frente. O problema é que também tem muita gente construindo estaleiro. Precisa de competitividade, produtividade e gestão. Quem sair na frente (sem atrasar), terá vantagem", disse o presidente da empresa, Fernando Barbosa, sobre as próximas oportunidades de negócio com a petroleira. "É um desafio enorme".
O EEP é um dos oito "estaleiros virtuais" em construção no País - um assunto que deixa a presidente da Petrobras, Graça Foster, preocupada com a possibilidade de atrasos no programa de produção da estatal.
O estaleiro é uma associação entre as construtoras Odebrecht (35%), OAS (17,5%), UTC (17,5%) e a japonesa Kawasaki (30%), fabricante de motos que também atua há 130 anos no setor naval.
O principal contrato (US$ 4,8 bilhões) do EPP, por meio da gestora Sete Brasil, é para a construção de seis das 28 sondas de perfuração de águas ultraprofundas para o pré-sal. A primeira começa a ser montada durante a conclusão do estaleiro principal em Maragojipe (BA).
O restante das encomendas está na transformação de quatro cascos de navios petroleiros em plataformas (P-74, P-75, P-76 e P-77) que serão alocadas na área da cessão onerosa. A conversão é feita pelo EEP no estaleiro Inhaúma, arrendado pela Petrobras e em operação no Rio de Janeiro.

Fonte: Exame.com por Maragojipe 24 Horas

Nenhum comentário:

Postar um comentário