segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Prefiro morrer a ficar preso no Brasil, diz ministro da Justiça


O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse no início da semana, na cidade de São Paulo, que prefere a morte a uma longa pena no sistema prisional brasileiro, porque as condições nos presídios nacionais são medievais. “Se fosse para cumprir muitos anos em uma prisão nossa, eu preferiria morrer”, disse Cardozo durante um encontro com empresários paulistas.


O ministro respondia a perguntas feitas pelos empresários na reunião do Grupo de Líderes Empresarias (Lide). Ele foi questionado a respeito de prisão perpétua, pena de morte e castração química a estupradores e pedófilos. Cardozo mostrou-se contrário à aplicação desses tipos de penas no país.

A declaração do jeito que foi feita, parecia apenas uma frase de efeito, mas explodiu na imprensa por ter sido pronunciada pelo ministro encarregado há seis anos da gestão dos presídios. Cardozo salientou que o sistema prisional do país precisa melhorar muito. “Não é porque eu tenho um sistema debilitado, que não oferece condições de reinserção, que eu vou negar o princípio que eu tenho que seguir. Eu tenho é que melhorar o meu sistema, cumprir o meu papel”, disse.

Se não o desabafo pessoal não fosse dito pelo integrante do governo petista, o debate provocado pela frase não teria se tornado positivo, já que passou da hora de uma ampla reforma no sistema penitenciário brasileiro. Com informações da Agência Brasil. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário