segunda-feira, 9 de julho de 2012

PREFIRO SER UM LOBO MAGRO E FAMINTO, A SER UM CÃO GORDO E LISO COM COLEIRA NO PESCOÇO, AFIRMOU DERLAN QUEIROZ

Na nossa cidade cada dia que se passa surge um fato novo. Como mangabeirense fico triste com alguns acontecimento mas, minha maior indignação é por conhecer e está ao lado de algumas pessoas que se dizem criticos e formadores de opinião e quando precisa PENSAR , CRITICAR, OPINAR E DISCORDAR, parece que a mente ficou atrofiada ou foi colocado uma MORDAÇA para que os mesmos aceitem tudo caladinho. Humm . . . Criticos de MERDA ! Por isso, que baseado na fábula de Monteiro Lobato: "PREFIRO SER UM LOBO MAGRO E FAMINTO , QUE SER UM CÃO GORDO E LISO COM COLEIRA NO PESCOÇO"

Um lobo muito magro e faminto, todo pele e ossos, pôs-se um dia a filosofar sobre as tristezas da vida. E nisso estava quando lhe surge pela frente um cão – mas um cão e tanto, gordo, forte, de pelo fino e lustroso.

Espicaçado pela fome, o lobo teve ímpeto de atirar-se a ele. A prudência, entretanto, cochichou-lhe ao ouvido : - “Cuidado! Quem se mete a lutar com um cão desses sai perdendo”.
O lobo aproximou-se do cão com toda a cautela e disse :
- Bravos ! Palavra de honra que nunca vi um cão mais gordo nem mais forte. Que pernas rijas, que pelo macio ! Vê-se que o amigo se trata ...
- É verdade ! – respondeu o cão. Confesso que tenho tratamento de fidalgo. Mas, amigo lobo, suponho que você pode levar a mesma boa vida que levo.
- Como ?
- Basta que abandone esse viver errante, esses hábitos selvagens e se civilize, como eu.
- Explique-me lá isso por miúdo, pediu o lobo com um brilho de esperança nos olhos.
- É fácil. Eu apresento você ao meu senhor. Ele, está claro, simpatiza-se e dá a você o mesmo tratamento que dá a mim : bons ossos de galinha, nacos de carne, um canil com palha macia. Além disso, agrados, mimos a toda hora, palmadas amigas, um nome.
- Aceito ! – respondeu o lobo.Quem não deixará uma vida miserável como esta por uma de regalos assim ?
- Em troca disso – continuou o cão – você guardará o terreiro, não deixando entrar ladrões nem vagabundos. Agradará ao senhor e à sua família, sacudindo a cauda e lambendo a mão de todos.
- Fechado ! resolveu o lobo – e emparelhando-se com o cachorro partiu a caminho da casa. Logo, porém, notou que o cachorro estava de coleira.
- Que diabo é isso que você tem no pescoço ?
- É a coleira.
- E para que serve?
- Para me prenderem à corrente.
- Então não é livre, não vai para onde quer, como eu?
- Nem sempre. Passo às vezes vários dias preso, conforme a veneta do meu senhor. Mas que tem isso, se a comida é boa e vem à hora certa?
O lobo entreparou, refletiu e disse :
- Sabe do que mais ? Até logo ! Prefiro viver magro e faminto, porém livre e dono do meu focinho, a viver gordo e liso como você, mas de coleira ao pescoço.
Fique-se lá com a sua gordura de escravo que eu me contento com a minha magreza de lobo livre.
E afundou no mato.

Um comentário:

  1. Porreta sua posição qto a esses vermes Bambi. Esses que por um auxilio ajuda fazem de td para que os aproveitadores de otários fiquem onde estão, no poder.
    EU PREFIRO AJUDA, E FICAR MUDO, CEGO, SURTO, QUE PLEITEAR JUNTO AOS QUE GOSTAM DE MANDAR, A MESMA POSIÇÃO!


    TO QUERENDO FL CM VC, LIGUE PRA MIM. POIS SEU NUM. SÓ DÁ CAIXA.




    TE AGUARDO,



    Mura.

    ResponderExcluir