quarta-feira, 14 de março de 2012

PROFESSORES INICIAM PARALISAÇÃO NACIONAL DE TRÊS DIAS

Os professores das redes Municipal e Estadual (educação básica) paralisarão as atividades em todo o país nos dias 14, 15 e 16 (quarta, quinta e sexta-feira).
De acordo com a diretora regional da APLB sindicato, professora Marlede Oliveira, educadores de cerca de 29 municípios participarão de um ato público em Feira de Santana, a partir das 9h de quarta-feira (14), em frente a prefeitura.
Na quinta-feira (15) os professores estarão na frente da Diretoria Regional de Educação (Direc).
Reivindicações
Segundo o presidente da APLB Sindicato, Germano Barreto, a finalidade da paralisação é reivindicar a aprovação do Plano Nacional da Educação (PNE) e o cumprimento da Lei do Piso salarial para professores de 22,22%. Ele disse prefeitos de muitas cidades brasileiras e governadores que não aceitam o valor do reajuste.
A categoria também solicita a ampliação do investimento em educação para 10% do Produto Interno Bruto (PIB), ao longo da próxima década, e o cumprimento imediato e integral da lei federal nº 11.738, que vincula o piso salarial profissional nacional à carreira do magistério, além de outras reivindicações.
Questionado sobre o reajuste de 22,22% no piso salarial do professores, Germano Barreto, informou que valor R$ 1.451 ainda não é suficiente. Para o sindicalista o piso deveria ser de R$1.937.
O novo piso foi definido pelo Ministério da Educação (Mec) e conforme determina a lei que criou o piso, o reajuste foi calculado com base no crescimento do valor mínimo por aluno do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). A Lei do Piso determina que nenhum professor pode receber menos do que o valor determinado por uma jornada de 40 horas semanais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário