domingo, 12 de junho de 2011

JUNTOS HÁ MAIS DE 80 ANOS, CASAL DIZ QUE "TODO O DIA É DIA DOS NAMORADOS"

Costureira de 102 anos e aposentado de 106 namoraram por quatro meses. Casal, que mora em Guarulhos (SP), tem 53 netos, bisnetos e tataranetos.Para a costureira Otacília Gomes de Oliveira, de 102 anos, casada há 82 com o lavrador aposentado José Francisco dos Santos, de 106, "todo dia é Dia dos Namorados". Por isso, ela não programa nenhuma comemoração especial neste dia 12. Diz apenas que espera passar mais uma data especial ao lado "do amor de sua vida" e a família, em Guarulhos, na Grande São Paulo.
Otacília afirma com convicção que José Francisco nasceu para ser seu companheiro. “Eu vi ele com a roupa que depois usou no dia em que me conheceu pessoalmente”, conta. Na vida real, o encontro ocorrido no interior de Alagoas há mais de 83 anos foi tão marcante que desde então ela não desgruda do amado.
Otacília e José Francisco dos Santos namoraram apenas por quatro meses. “O namoro naquela época era bem diferente.

Era um sentado aqui e o outro, ali”, lembra a costureira, indicando com o dedo uma distância considerável. Em fevereiro de 1929, os dois receberam a bênção de um padre em uma igreja onde atualmente fica a pequena cidade de Poço das Trincheiras (AL) e foram morar juntos.
Meses após o matrimônio, o casal teve um filho – o primeiro de 15. “Ele está com 82 anos hoje. Meu filho já é bisavô”, diz, orgulhosa. A filha caçula tem 60 anos e é um dos seis filhos que estão vivos.
Em uma época em que as mulheres costumavam trabalhar apenas em casa, cuidando dos filhos, Otacília foi precursora ao ajudar na renda familiar com serviços de costureira e parteira. “Foram 20 anos fazendo partos. Já perdi a conta de quantas pessoas eu trouxe para esse mundo.”
Por sua vez, José Francisco, mais reservado que a mulher, sempre trabalhou na lavoura. Cansado das condições de vida em sua terra natal, em 1950 ele decidiu mudar com filhos e mulher para Lucélia, cidade paulista a 573 km da capital. A família melhorou de vida e foi morar 11 anos depois em uma casa na Vila Sabrina, na Zona Norte de São Paulo. Atualmente, eles moram em Guarulhos, na Grande São Paulo. “Cheguei em 1976. Aqui, onde a gente vive, era só mato. Mas já diziam que a região ia melhorar, que ia crescer bastante, e foi o que aconteceu”, diz.
O amor duradouro e a saúde física e mental se devem, na opinião de José Francisco, a bons hábitos e ao respeito mútuo.
Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário