sábado, 19 de fevereiro de 2011

PREÇO DO FEIJÃO-FRADINHO FAZ ACARAJÉ FICAR 80% MAIS CARO

Em Salvador, o preço médio passou de R$ 2,50 para R$ 4,50 (alta de 80%) em um ano, segundo informações da Associação das Baianas de Acarajé, Mingau, Receptivo e Similares da Bahia
Quem pretende saborear o mais tradicional quitute da Bahia vai ter que gastar mais. O preço do acarajé disparou com a alta de seu principal ingrediente, o feijão-fradinho, que subiu 63%. Em Salvador, o preço médio passou de R$ 2,50 para R$ 4,50 (alta de 80%) em um ano, segundo informações da Associação das Baianas de Acarajé, Mingau, Receptivo e Similares da Bahia.
"A sorte é que o pessoal reclama do preço na primeira vez, mas não deixa de comprar. Na praia, o preço chegou a R$ 5,50", disse a presidente, Rita dos Santos. A alta do feijão-fradinho foi a maior registrada no IPCA (índice oficial de inflação), calculado pelo IBGE. Nos últimos 12 meses, o índice teve alta de 6%. Entre os preços dos principais ingredientes do acarajé, só o da cebola caiu (35%) -o do camarão subiu 17%. Usado para fritar o quitute, o preço do azeite de dendê não é acompanhado pelo IBGE.Apesar da alta dos preços e do aumento da concorrência no setor, os tabuleiros das baianas se espalharam pelo país nos últimos anos. Atualmente, estão em 17 Estados, o triplo do registrado há cinco anos. Sem falar da presença em outros países, como Portugal.

A associação do setor estima que sejam quase 3.000 baianas de acarajé em Salvador e região metropolitana, mas o número exato será definido em um censo, financiado pelo governo federal. Em 2004, elas e o bolinho de acarajé foram tombados pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) como patrimônio cultural brasileiro. As informações são da Folha

Nenhum comentário:

Postar um comentário